Canção da Oferta e da Demanda

Arroz se obtém rio abaixo
As pessoas nas províncias mais remotas precisam de arroz.
Se eu puder manter esse arroz fora do mercado
O arroz na certa vai ficar mais caro.
Daí aos homens que puxam as barcaças vai ter que faltar arroz
E conseguirei meu arroz por bem menos ainda.

Falando nisso, o que é arroz?

Não me pergunte o que é arroz.
Não venha me pedir conselho.
Não faço a mínima ideia do que é o arroz:
Tudo o que sei é seu preço.

No inverno, os friorentos precisam de roupas quentes.
Então você deve comprar algodão para
poder manter o algodão fora do mercado.
Quando o danado do frio chega, então as roupas ficam mais caras.
Nossas fiações de algodão pagam um exagero de salários.
E de todo jeito, tem algodão demais.

Falando nisso, o que é algodão?

Não me pergunte o que é algodão.
Não venha me pedir conselho.
Não faço a mínima ideia do que é o algodão:
Tudo o que sei é seu preço.

Os operários precisam de muita comida
E isso torna o trabalho de um homem mais caro.
Para prover sua alimentação você precisa de mulheres.
Nossos cozinheiros podem fazer uma refeição mais barata, mas olha só
Aqueles comedores deixando a comida mais cara.
E de todo jeito, bem que poderíamos usar mais homens aqui.

Falando nisso, o que é um homem?

Não me pergunte o que é um homem.
Não venha me pedir conselho.
Não faço a mínima ideia do que um homem é:
Tudo o que sei é seu preço.

Poema Original de Bertoldt Brecht e Hanns Eisler
Música de Robyn Archer

This entry was posted in Artigos, Poesia. Bookmark the permalink.

Leave a Reply